quarta-feira, setembro 05, 2012

As neves do Kilimanjaro, de Robert Guédiguian ***1/2


O cineasta francês Robert Guédiguian retoma de forma vigorosa a sua veia social-humanista em “As neves do Kilimanjaro” (2011), nos moldes de outras produções memoráveis suas como “A cidade está tranqüila” (2000) e “Marie-Jo e seus dois amores” (2002). Nessa obra mais recente, o viés dramático é menos trágico, permitindo-se até eventuais momentos bem humorados. Guédiguian mantém o seu registro objetivo e desglamorizado do quotidiano de pessoas simples, ressaltando com sutileza a discreta grandeza de pequenos atos do dia a dia de trabalhadores, desempregados, marginais e demais figuras do povo. Assim como nos filmes anteriores destacados, o diretor consegue estabelecer um equilíbrio entre a crítica social e o intimismo das relações humanas de seus personagens. E por mais que “As neves do Kilimanjaro” adote uma postura panfletária e um tom sentimental em sua narrativa, é inegável que tais opções temáticas criam uma forte empatia com a plateia, credenciando Guédiguian como um dos mais expressivos cineastas no gênero político ao lado do britânico Ken Loach.

Um comentário:

Marcelo C,M disse...

Otima pedida e que merece uma conferida.