segunda-feira, setembro 10, 2012

Quem se importa, de Mara Mourão *


A diretora Mara Mourão já tinha quase batido o recorde no gênero documentário “chapa branca” em “Doutores da alegria” (2005), onde mostrava seu marido Wellington Moreira, palhaço e coordenador de um projeto em que ele e outros palhaços alegram crianças com câncer, quase como um santo. Pois agora em “Quem se importa” ela se supera: novamente realiza uma obra destinada a beatificar seus protagonistas, todos “ongueiros” que se definem como empreendedores sociais, sendo que entre eles se encontra, ora veja, Wellington Moreira! Se o discurso político do filme é altamente questionável (algo na linha “políticos, governos e Estado não fazem nada, o negócio é a iniciativa privada fazer política social”), por outro lado a concepção estética-temática de “Quem se importa” é clara: é mais um exercício formal de propaganda narcisista que faz lembrar um horário eleitoral estendido para o cinema. Como cinema, o filme é asséptico e sem personalidade, fazendo pensar até que ponto o politicamente correto pode chegar.

2 comentários:

Marcelo C,M disse...

Vivemos uma boa fase de bons documentários atualmente.

André Kleinert disse...

Bem, esse não é o caso de "Quem se importa".